Software leitura de Tela:
Contraste:
Redes Sociais:
Você está: Edições / Edição nº 113

ASSOCIAÇÕES

Instituto Escuta

Crianças com implante coclear ganham novo instituto em São Paulo

O implante coclear é um aparelho cirurgicamente implantável que permite que pessoas com surdez moderada a profunda tenham acesso aos sons, inclusive aos da fala. Em 22 de outubro passado, foi inaugurado o Instituto Escuta, localizado na Vila Mariana, na capital paulista, única instituição do gênero a trabalhar com crianças e também com suas famílias. De acordo com a diretora clínica do Instituto, Carla Rigamonti, apesar de proporcionar o acesso aos sons da fala, o implante coclear não garante que a criança – mesmo que implantada precocemente – desenvolva a língua oral. Para isso é fundamental que os cuidadores saibam da importância da manutenção, dos estímulos e da frequência a uma terapia fonoaudiológica de qualidade. É necessário também que a escola esteja preparada para estimular uma criança implantada da melhor forma possível e é importante que a família faça o acompanhamento devido com o grupo de implante coclear. “Esses são alguns fatores cruciais para que a criança possa adquirir a língua oral”, explica a diretora. “No Escuta, nossa ideia é acompanhar a família semanalmente, com atenção especial a esses aspectos e à qualidade de vida do núcleo familiar como um todo”.
O projeto nasceu dentro de uma empresa de importação e comercialização de produtos médico-hospitalares, a Politec Saúde, há 4 anos. “Essa fase mostrou a importância do acompanhamento frequente às famílias, que se sentiam amparadas e empoderadas em relação ao tratamento. Por meio do Projeto de Intervenção recebíamos as famílias semanalmente por duas horas e meia, durante um mínimo de seis meses, e realizávamos atividades específicas para cuidadores e crianças usuárias de implante coclear, considerando a importância fundamental do adulto para o desenvolvimento pleno da criança”, lembra Carla.
Com a inauguração do novo instituto, a Politec continua patrocinando o projeto mas não mais exclusivamente. “Sabiamos que, na transição para o terceiro setor, teríamos a oportunidade de crescer, atender mais famílias e desenvolver novos projetos. O que mudou é que poderemos atender usuários de todas as marcas de implante coclear e ampliar o número e o formato de atendimentos e de famílias atendidas”, explica a diretora.
Além do Projeto de Intervenção, que será agora anual, já oferecido, o Instituto fará também uma avaliação interdisciplinar e, a médio prazo, terá atendimentos clínicos individuais e familiares. “Com a família, realizamos palestras de orientação sobre temas relacionados à surdez, desenvolvimento de fala, direitos e benefícios, entre outros. Queremos que os pais tenham acesso às informações e possam ser menos dependentes dos profissionais. Fazemos também oficinas artesanais, com a ideia de que os pais possam pensar em outras coisas que não exclusivamente o tratamento e desenvolvimento do filho. E, por fim, semanalmente temos o grupo de apoio, onde todos são convocadas a falar”, informa Carla.
A avaliação é gratuita, e o investimento no Projeto de Intervenção será definido mediante análise de perfil socioeconômico. Podem participar crianças até 10 anos de idade. Para ter acesso, é preciso entrar em contato pelo telefone ou e-mail: contato@institutoescuta.org
Até 21 de dezembro, o Instituto está em campanha de financiamento coletivo para garantir pelo menos um grupo de Projeto de Intervenção em 2017. A arrecadação é por meio da plataforma  HYPERLINK "http://juntos.com.vc/" juntos.com.vc. Para doar, basta acessar: "http://www.juntos.com.vc/pt/institutoescutaorg#about".
O Escuta tem ainda parcerias com outras entidades do terceiro setor nas recompensas. Uma dela, por exemplo, é uma aula introdutória à Língua Brasileiras de Sinais em parceria com o Centro de Educação para Surdos Rio Branco.

ICEL – Interação Cultura Esporte e Lazer

Fazer exercícios físicos, praticar esportes, participar de passeios culturais, trocar experiências e encontrar novas amizades. Pensando na importância de tudo isso para o bem-estar de qualquer pessoa, os amigos Sandro Brito e Paulo Scarpelli, que estudavam na Universidade Santo Amaro (UNISA), criaram um projeto destinado a pessoas com deficiência física que usam cadeiras de rodas. Assim nasceu o ISE – Interação Saúde Especial, em 2009, que mudou de nome e se tornou uma Organização Não Governamental (ONG) e hoje tem o nome de ICEL – Interação Cultura Esporte e Lazer. Atualmente o grupo é composto por 20 participantes, a maioria homens, que se reúnem nas manhãs de domingo no CEU Cidade Dutra (zona sul capital paulista), de 9h às 11h. Os encontros começam com exercícios para melhorar a condições física e as habilidades motoras. O ponto forte é o jogo treino para trabalhar tudo que foi desenvolvido no dia. “Atualmente temos o Handebol em Cadeira de Rodas (HCR4), estamos iniciando o tênis de mesa, além de fazer recreação na piscina, porém o Handebol é o principal esporte”, conta Scarpelli.
No final de 2013, o grupo participou de duas etapas do V Campeonato Paulista de HCR4 representando a cidade de São Paulo como a única equipe da capital. “Tivemos grandes dificuldades para acompanhar o restante dos times porque não possuímos cadeiras de rodas esportivas essenciais para esta modalidade, sendo assim contamos com a boa vontade das outras equipes em nos cederem as cadeiras de seus atletas no intuito de termos mais possibilidades para atuar no evento”, explica o idealizador do grupo.
O sonho agora, de acordo com Sandro de Brito Ribeiro, que ministra o treinamento de Handebol, é expandir as atividades em um espaço próprio com melhor infraestrutura, além de agregar outras pessoas e novos voluntários. Na parte cultural, uma vez por mês, o grupo costuma ir a teatros, circos, museus, visitar parques, e assistir a shows musicais, contanto com o serviço de transporte Atende/SPTRANS, da Prefeitura de São Paulo.
Para Scarpelli, a prioridade para 2017 é conseguir cadeiras esportivas adequadas, além de um espaço público definitivo, para seja possível treinar também durante a semana, já que o CEU é liberado só aos domingos. O grupo quer também participar das etapas do HCR4 do Campeonato Paulista, além de ampliar o campo de atendimento. O ICEL aceita novos participantes, desde que tenham, no mínimo, 16 anos de idade e consigam tocar a sua própria cadeira de rodas, além de terem um atestado médico, confirmando estarem aptos para atividades físicas. Nessas atividades é necessário um responsável presente.
Como a participação é totalmente gratuita, o ICEL está em busca de voluntários, apoiadores e patrocinadores. Os contatos com o grupo podem ser feitos pelo e-mail: "mailto:icelsp2016@gmail.com" A ONG tem ainda uma página no facebook.


Para compartilhar essa página basta clicar no ícone da sua rede social.


Ligue grátis: 0800 - 772 - 6612
(11) 3873-1525 / Fax: (11) 3801-2195
contato@revistareacao.com.br
Todos os Direitos Reservados a Revista Reação - 2012
by Studio Toro