INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA,
MOBILIDADE REDUZIDA, FAMILIARES E PROFISSIONAIS DO SETOR


 É rápido e fácil: Encontre as matérias já publicadas pela Revista Reação no ambiente digital

Clique em "Pesquisar" e filtre por editoria, palavra chave ou navegue abaixo e encontre reportagens, artigos de parceiros e notas das redes sociais.

Universidade em Recife/PE atende crianças com deficiência

A clínica-escola de Odontologia da UNISSAU - Centro Universitário Maurício de Nassau, em Recife/PE, realizou no último mês de abril a terceira etapa do Projeto Sorriso Especial

O projeto organiza mutirões semestrais de atendimento para acompanhar crianças desde os primeiros meses de vida, especialmente as que possuem microcefalia.

Pernambuco é o estado com o maior número de casos de bebês diagnosticados com o problema, associado à infecção materna pelo Zika vírus. A iniciativa, totalmente gratuita, permite que as crianças sejam atendidas ainda numa fase pré-patogênica, antes de apareceram as infecções bucais, permitindo uma melhor qualidade de vida para esses pacientes.

“A dimensão do projeto é enorme”, explica Ana Carolina Leitão, odontopediatra com 20 anos de trabalho com crianças com deficiência, docente responsável pelo Projeto e pela Clínica de Atenção à Criança e ao Adolescente da UNISSAU. “Além de todos os benefícios para os pacientes, os acadêmicos têm vivido experiências transformadoras, a cada encontro. O trabalho de inclusão dessas crianças, cada vez mais jovens, na clínica, tem permitido sensibilizar mais estudantes e profissionais às diversas necessidades humanas, nas suas distintas carências, ajudando a desmistificar os atendimentos. Assim, o reflexo é direto na formação de mais profissionais interessados e aptos a acolher esses pacientes com necessidades especiais”, avalia.

Com o atendimento precoce, é possível prevenir alterações nas estruturas bucais, bem como infecções, através de procedimentos preventivos e da educação em saúde de pais e responsáveis. No início do Projeto, o contato com as famílias foi feito por meio das ONGs Amar e Uma, que cadastram e dão apoio em casos de microcefalia. Após a divulgação da proposta, a clínica começou a ser procurada por pessoas de várias cidades pernambucanas.

“O Projeto tem ajudado a divulgar a necessidade de qualquer paciente com deficiência procurar atendimento odontológico, desde bebês, o que tem nos trazido grande alegria”, conta a odontopediatra. “No dia dos atendimentos também nos têm procurado famílias de bebês com Síndrome de Down, paralisia cerebral, mielomeningocele, entre outros casos. Assim, o Projeto está trabalhando e repercutindo numa ação ainda maior, que extrapola os casos dos bebês com microcefalia”, explica Ana Carolina.

Para ela, essa ação tenta sensibilizar profissionais e sociedade à causa de todos os pacientes com deficiência, para que sejam olhados de forma mais humanizada, em toda sua integralidade, desde os primeiros momentos de vida. “O passado, ainda muito presente de saúde bucal de todas essas crianças, é de muita negligência, chegando ao tratamento odontológico, na sua grande maioria, já apresentando dor e muitas doenças bucais, em idade avançada”, comenta.

“O Projeto atende pacientes de acordo com as necessidades de cada fase do ciclo vital e assim, a cada semestre, a cada mutirão, avaliamos as necessidades específicas de cada caso e tentamos ofertar e buscar soluções que corroborem para o melhor equilíbrio e saúde das estruturas do sistema estomatognático”, explica Ana Carolina, referindo-se ao conjunto de estruturas bucais que desenvolvem funções comuns, tendo como característica constante a participação da mandíbula.

A família é orientada sobre aleitamento natural e artificial, higiene de dentes e língua, uso de copos, bicos de mamadeira e chupetas ortodônticas, além de ser feito um acompanhamento da cronologia de erupção, avaliando crescimento e desenvolvimento para sinalizar e encaminhar para outros profissionais ou tratamentos, quando necessário.

Para ter atendimento, basta agendar na recepção da clínica escola (Uninassau, bloco D, rua Joaquim Nabuco, s/n, Bairro das Graças  - Prédio do Impostômetro) ou entrar em contato com as ONGs. As crianças que não conseguem ser atendidas nos mutirões semestrais são acolhidas nos atendimentos da clínica, durante todo o período letivo.

Vale lembrar, que em novembro deste ano, Recife/PE sediará a primeira feira voltada para pessoas com deficiência e necessidades específicas da região: a Mobility Nordeste 2017, que acontecerá no Shopping Riomar, de 24 a 26 de novembro. 

Tags:

Parceiros

Vinaora Nivo Slider 3.xVinaora Nivo Slider 3.xVinaora Nivo Slider 3.xVinaora Nivo Slider 3.xVinaora Nivo Slider 3.xVinaora Nivo Slider 3.x

©2017 Reação Revista Nacional de Reabilitação - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por A4 Agência Digital

Search