INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA,
MOBILIDADE REDUZIDA, FAMILIARES E PROFISSIONAIS DO SETOR


 É rápido e fácil: Encontre as matérias já publicadas pela Revista Reação no ambiente digital

Clique em "Pesquisar" e filtre por editoria, palavra chave ou navegue abaixo e encontre reportagens, artigos de parceiros e notas das redes sociais.

Brasil é o grande campeão dos Jogos Parapan-Americanos !!!

O campeonato, realizado na capital paulista, no Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro e no Clube Espéria, no caso do tênis, reuniu mais de 800 atletas entre 13 e 20 anos, representando 19 países.

De 20 a 25 de março último, eles disputaram 12 modalidades: atletismo, basquete em cadeira de rodas, bocha, futebol de 5, futebol de 7, goalball, halterofilismo, judô, natação, tênis de mesa, tênis em cadeira de rodas e vôlei sentado.

Esta foi a quarta edição dos jogos, realizados a cada 4 anos. O Brasil liderou com 139 medalhas, sendo 66 de ouro, 41 de prata e 32 de bronze com uma equipe composta por 174 atletas em todas as modalidades. O segundo lugar foi ocupado pela Colômbia, com 109 medalhas e o terceiro pela Argentina, com 68 medalhas. O Brasil já havia ocupado o primeiro lugar no pódio nas competições de Bogotá (2009) e Buenos Aires (2013). Em 2005, a primeira edição foi realizada em Barquisimeto, na Venezuela.

Na entrevista coletiva de encerramento da competição, o presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), Andrew Parsons, agradeceu ao Comitê Paralímpico das Américas pela confiança: “Foi um honra ter reunido o que há de melhor nas Américas no Centro Paralímpico Brasileiro, este legado dos Jogos Paralímpicos Rio 2016. É fundamental que um legado como este sirva como primeiro estágio de jovens no esporte paralímpico", afirmou.

O diretor técnico do CPB e diretor do Comitê Organizador Local (LOC), Edilson Rocha, o Tubiba, completou: “Felizmente, com um grande time, entregamos uma edição muito boa do Parapan. Foram 66 funcionários do LOC, 180 voluntários, e é importante ressaltar o ótimo trabalho que fizemos de ter universitários aqui no CT. Tivemos ainda 12 delegados técnicos, 38 classificadores internacionais de diversas modalidades e 98 árbitros internacionais e outros 140 nacionais. Foi um desafio, mas posso dizer que os Jogos foram fantásticos".

Um aspecto que chamou a atenção dos organizadores foi o crescimento no número de inscritos e a maior qualidade dos atletas presentes. “O nível aumentou muito. Se compararmos essa edição com Buenos Aires 2013, Bogotá 2009 e Baquisimeto 2005 vamos notar a evolução dos atletas mais jovens. Vimos atletas aqui alcançando índices para campeonatos mundiais de adultos. Isso mostra a qualidade dos atletas juvenis que temos aqui nas Américas”, afirmou Parsons.

Medalhistas da edição do Parapan de Jovens em 2013 seguiram nas competições e estiveram nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro de 2016, caso do nadador argentino Facundo Arregui, ou as brasileiras Danielle Rauen (tênis de mesa) e Verônica Hipólito (atletismo), ambas com medalhas no Rio.

Tubiba também acredita que muitos dos atletas que estiveram agora em São Paulo aparecerão nos próximos anos nas principais competições paralímpicas do mundo. “Alguns daqueles que ganharam medalha aqui certamente estarão em Lima 2019, nos Jogos Parapan-Americanos, e também em Tóquio 2020, nos Jogos Paralímpicos”, afirmou.

Como saldo da competição, o presidente do CPB assinou ainda três acordos de cooperação com Chile, Equador e Peru. As parcerias envolvem transferência de conhecimento e auxílio para o desenvolvimento do esporte adaptado nos quatro países.

Mais informações: http://saopaulo2017.com

 

Tags:

Parceiros

Vinaora Nivo Slider 3.xVinaora Nivo Slider 3.xVinaora Nivo Slider 3.xVinaora Nivo Slider 3.xVinaora Nivo Slider 3.xVinaora Nivo Slider 3.x

©2017 Reação Revista Nacional de Reabilitação - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por A4 Agência Digital

Search